Alfaguara

[RESENHA] Primeiras novelas de Haruki Murakami

Resenha das primeiras novelas de Haruki Murakami

As primeiras novelas de Haruki Murakami, Ouça a canção do vento e Pinball, 1973, não são as melhoras obras para ter o primeiro contato com a narrativa do autor japonês. Ao menos foi essa impressão que me foi passada ao terminar essas leituras. As duas novelas foram lançadas aqui no Brasil pela editora Alfaguara nessa edição MARAVILHOSA e no início do livro também encontramos uma nota do autor. Nesta nota, Murakami nos conta um pouco sobre a sua trajetória de vida, como começou a escrever e desenvolver seu estilo narrativo.

O livro todo já vale só pela nota e com certeza será um livro especial para muitos fãs de Haruki Murakami. No entanto, confesso que fiquei um pouco frustrada (e um pouco decepcionada) com a leitura de Ouça a canção do vento e Pinball, 1973 por causa de dois erros que cometi. 1) Escolhi esse livro como o meu primeiro contato com a narrativa de Murakami. 2) Comecei a ler sem ter a mínima ideia sobre as histórias das duas novelas.

Conclusão, até mais ou menos o meio do livro eu não consegui ver um propósito na narrativa e, quando finalmente entendi que se tratava de histórias que funcionavam como memórias dos personagens principais (e por isso não eram histórias com início-meio-fim), já estava desmotivada com a leitura. Mas o importante é que deu para notar o potencial do Murakami como escritor e tenho certeza que seus romances, como a famosa trilogia 1Q84 (considerada a sua obra-prima), vão conseguir superar todas as minhas expectativas.

PRIMEIRAS NOVELAS DE HARUKI MURAKAMI: AS HISTÓRIAS

OUÇA A CANÇÃO DO VENTO

Esta novela é narrada em primeira pessoa e conta a história do protagonista e seu melhor amigo, chamado Rato. O protagonista é um jovem estudante universitário que vai narrando algumas de suas memórias mais marcantes e também faz uma análise de sua vida amorosa. Ouça a canção do vento retrata a transição da juventude para o mundo adulto, além de abordar alguns temas delicados, como suicídio.

PINBALL, 1973

Continuação de Ouça a canção do vento, essa segunda novela traz os mesmos personagens só que mais velhos. O jovem estudante universitário agora é um tradutor, que já não vive mais na mesma cidade, não tem mais o contato com o seu melhor amigo, Rato, nem frequenta o famoso J’s Bar. O protagonista em um determinado momento passa a ficar obcecado por máquinas de Pinball e começa uma busca para encontrar a máquina em que tinha batido o record quando mais novo. Por sua vez, o Rato torna-se um homem cheio de incertezas e com muito medo de apostar tudo nos seus desejos, seus dias acabam se resumindo em conversas e desabafos com J, o dono do bar da primeira novela.

PRIMEIRAS NOVELAS DE HARUKI MURAKAMI: O QUE TÊM EM COMUM

As duas novelas apresentam personagens que poderiam se encaixar em uma geração perdida, são pessoas que não pensam muito no futuro e parecem não se importar com o caminho que estão seguindo. Vivem numa espécie de inércia e torpor, com os quais acabam aceitando o destino que os outros lhes impõe. Por exemplo, em Pinball, 1973 o protagonista começa a viver com duas gêmeas sem saber como elas foram parar na sua casa.

“Sozinho pela primeira vez em muito tempo, eu não sabia mais lidar comigo mesmo” (p. 191)

Esse clima nas histórias das primeiras novelas de Haruki Murkami me lembrou um pouco o clima que normalmente está presente nas histórias de Charles Bukowski, mas sem as ironias e sarcasmos que marcam a escrita do autor norte-americano. Outra característica marcante, não só entre os protagonistas como entre os coadjuvantes também, é que parecem pessoas que vivem envoltas de uma solidão. As duas histórias possuem um clima de melancolia e impotência, como se os personagens não pudessem alterar os seus destinos.

Além disso, as duas novelas são marcadas por pitadas de realismo fantástico, sendo Pinball, 1973  o mais recheado por esses momentos nonsense.

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply