Editora Selo Jovem

[RESENHA] Graham, o continente Lemúria

Resenha do livro Graham: o continente LemúriaPeter Graham é um caçador de vampiros que está embusca, ou melhor, caçando o grupo mais temido de sanguessugas, que é conhecido como A Família. Entre uma matança e outra, o caçador se esforça para manter suas memórias trancadas à sete chaves para não ter que reviver um grande trauma. Mas quando queremos que lembranças sejam esquecidas é quando mais são lembradas.

Esse mistério todo por trás do passado de Peter é o que mais me instigou na leitura, não sosseguei até que cheguei no momento em que o caçador se esgotou com o esforço de não reviver o passado. E quando esse momento chega é como se Graham pegasse na sua mão e dissesse “vem mergulhar nessa penseira comigo!“.

Durante esse grande mergulho que conhecemos Lílian, a melhor amiga do jovem Peter, Jordan, o doce menino que se transformou na paixão do até então inocente Peter, e também todos da família do futuro caçador (e cá entre nós, perdi as contas de quantas vezes quis dar um soco na fuça do idiota do Patrick, irmão de Peter). Assistimos o desenrolar de um amor entre dois meninos e acompanhamos as inseguranças e as dificuldades do relacionamento diante do preconceito que, infelizemente, ainda existe na nossa sociedade (visto o caso recente do João Antônio Donati). E como sempre, fiquei um pouco enjoada com o nhenhenhé  do casal. No início, estava achando o romance fofo até que, depois de algumas páginas, bateu aquele embrulho no estômago bem característico de quando leio romances açúcarados, estilo América e Aspen

“Dei um último gole no uíque que segurava, voltei à cozinha, coloquei o copo na pia e me apoiei com as mãos sobre ela, deixando a cabeça cair sobre o meu peito e soltando um longo suspiro, tentando impedir que mais memórias tomassem minha mente, mas era como tentar segurar fumaça com as mãos.” (p. 12)



O mergulho nas memórias do caçador de vampiros é tão profundo que cheguei a pensar “Epa. Mas essa história não era sobre vampiros? Cadê o sangue?”.  Afinal, são 50 páginas só sobre o relacionamento dos dois (e o livro tem apenas 206). No entanto, logo depois de pensar que estava faltando sangue na história, Vinícius Fernandes  – que escreve sob o pseudônimo A. Wood – praticamente faz uma chacina! Tenho que confessar que as primeiras mortes não me abalaram, já que as primeiras vítimas são praticamente personagens que aparecem só para morrer. Não tive tempo de simpatizar com nenhum deles para sentir como se tivesse perdendo um amigo. Mas as do final do livro é de estraçalhar o coração.

“- Se for morrer… – disse ele, e o sangue pareceu sair mais rápido do ferimento. Eu o tinha em meus braços agora – Leve um desses filhos da puta junto com você.” (p. 105)



Boa parte da história se passa no Canadá, só que meu cérebro insistiu que tinha que se passar na capital de São Paulo com o seu clima frio, seco e que, apesar de toda a movimentação da metrópole, à noite as ruas podem ser um pouco sombrias. Ideal para histórias de vampiros. Então, em certo momento eu simplesmente desisti de forçar a imaginação lá para a américa do norte e deixei que todos os personagens menos a Luíza que tá no Canadá vivessem na São Paulo da minha cabeça.

Apesar da escrita de Vinícius ser de boa qualidade, destacando os diálogos que são bem fluidos e expontâneos, o texto ainda precisa de algumas revisões e edições por conta de palavras e ideias repetitivas, além de pequenos erros de digitação. A história tem uma premissa boa, mas acredito que ainda precise de uma estrutura um pouco mais elaborada, visto que em determinados pontos parece perder o mote inicial (vampiros, sangue, batalhas). Eu deixaria pequenos flashbacks ao longo da narrativa até que tudo fosse explicado, acredito que assim teria mais mistério e daria tempo de trabalhar personagens que não foram tão trabalhados. Já a edição da editora deixou bastante a desejar, pois ao longo do livro, sem mais nem menos, a fonte diminui e aumenta de tamanho. Esses pontos, claro, não tira o potencial que a história tem e nem o carinho que você sentirá pelos personagens ao mergulhar nessa leitura.


No Comments

  • Reply
    Poliana Araújo
    September 20, 2014 at 11:42 pm

    Olá,
    Tudo bem?
    Nunca fui tão atraída pelo livro, nem tinha tanta vontade de ler, não sei porque… Mas a tua resenha mudou a minha ideia, preciso lê-lo logo!!
    Beijos*-*
    Território das Garotas

  • Reply
    Vinícius Fernandes
    September 21, 2014 at 4:01 am

    Oi, Barbara.
    Gostei da resenha. Fico feliz que tenha gostado do livro.
    Realmente, alguns erros de digitação e de diagramação passaram despercebidos pela editora. Mas já conversei com eles e nas próximas tiragens o livro estará melhor nesse quesito. 😀

    Obrigado pela resenha mais uma vez! Um beijo 🙂

  • Reply
    Estante Diagonal
    September 22, 2014 at 3:14 am

    Fonte aumenta e diminui? hahaha bizarro, apesar das ressalvas a historia parece ter potencial , no entanto não sei se releria agora, estou tão atolada de leituras que tu não faz ideia hahaha, mas olha estou saindo melhor que a encomenda viu! =p

    Beijos Joi Cardoso
    Estante Diagonal

  • Reply
    Inês Gabriela A.
    September 23, 2014 at 6:08 pm

    Olá =).
    Eu, sinceramente, não tenho vontade de ler mais nada que envolva vampiros, estou esgotada desse tema. Uma pena que o texto ainda precise de revisão e que o autor precisa se aperfeiçoar =(.
    Beijos.
    Memórias de Leitura (memorias-de-leitura.blogspot.com)

  • Reply
    babimontec
    September 24, 2014 at 2:28 am

    De nada, Vinícius! Foi o maior prazer 🙂

    Beijos!

  • Reply
    babimontec
    September 24, 2014 at 2:28 am

    Também achei Joi!! hahahah
    E nem fala em lista de leituras, tenso.

    beijão!

  • Reply
    babimontec
    September 24, 2014 at 2:29 am

    Também fiquei esgotada de vampiros! Mas dos vampiros que brilham, que são bonzinhos essas coisas ;p

  • Reply
    Aliscia Wendt
    September 24, 2014 at 3:30 am

    Oiee ^^ nunca tinha ouvido falar, e é isso que eu mais gosto nos blogs: conhecer livros novos pra colocar na minha gigante lista de leitura rsrs <3 amei sua resenha, é a primeira com autor parceiro né? Muito sucesso pra você e pro autor, e meus parabéns por essa conquista (fiquei toda feliz na minha primeira resenha com autor *–*) amei seu blog, voltarei mais vezes :3
    beijos :3

  • Reply
    Bárbara Prince
    September 24, 2014 at 1:49 pm

    Eu também não tenho paciência para romances açucarados, é uma pena que esse tenha sido um, pois a trama parecia bem promissora. E também fico muito decepcionada quando um livro não tem um cuidado editorial cuidadoso – nem sou tão exigente, mas mudar o tamanho da fonte já é demais, né?
    Beijos!

    http://www.blogsemserifa.com

  • Leave a Reply