Galera Record

RESENHA: A Rainha da Fofoca, de Meg Cabot

Resenha do livro A Rainha da Fofoca, de Meg Cabot

Lizzie Nichols acabou de se formar na faculdade ou pelo menos isso é o que todos acreditam e não faz a mínima ideia do que fazer com a sua vida. Resolve que o melhor é ir passar um mês na Inglaterra para visitar o seu namorado britânico e deixar para pensar sobre o seu futuro mais tarde. Mas as coisas não acontecem exatamente como ela espera.

Com o coração partido e sem saber o que fazer, Lizzie resolve arriscar encontrar a sua melhor amiga, Shari, e seu respectivo namorado, Chaz, em um château na França, onde o casal está ajudando com os preparativos para um casamento. E quem diria que, no meio de tanta confusão, ela ia acabar conhecendo um perfeito cavalheiro, gato, que a ajuda a devolver a sua crença no gênero masculino. E, claro, que tem namorada!

Tudo parece um sonho, a paisagem francesa, a comida, a companhia de amigos. Porém, existe um pequeno problema chamado SLC, o Sistema Lizzie de Comunicação, responsável por transmitir as mais diversas informações que não poderiam cair em conhecimento! Pois é,  Lizzie tem um problema sério de manter a boca fechada e os segredos guardados a sete chaves, o que a coloca nas maiores confusões.

Não tem como negar, a narrativa da Meg Cabot é contagiante! É sempre uma leitura leve, rápida e divertida. Me peguei rindo sozinha no ponto de ônibus diversas vezes (ver se o ônibus está vindo para que, né?), mas esse não se tornou o meu livro favorito da Meg e acredito que também não entre para uma das minhas séries favoritas.

Achei o livro com umas partes bem mais adultas, estilo Marian Keyes, podendo até mesmo fazer uma comparação com os livros da Meg escritos sob o pseudônimo de Patrícia Cabot. Exatamente por isso, fiquei me perguntando o porquê desse livro ter sido publicado pelo selo da Galera Record. Por outro lado, essas partes não são tão constantes no livro, o que pode ser uma justificativa para ser recomendando para adolescentes e garotas mais novas.

A história não tem grandes surpresas ou grandes revelações. Acho que consegui prever quase todos os acontecimentos marcantes desse primeiro livro, mas é uma leitura que vale muito a pena para passar o tempo e desocupar a cabeça 😉

(Tenho que confessar que esse livro me deu saudade dos ares europeus, do sotaque britânico, de escutar francês e não entender nada.)

You Might Also Like

No Comments

  • Reply
    Jessica Garcia
    April 10, 2014 at 8:50 pm

    Nunca tive interesse pelos livros da Meg, até conhecer este. Parece ser bem legal, mesmo contando uma história que pode ser considerada um pouco clichê. Adorei sua resenha! Beijos,
    http://coemundo.blogspot.com.br/

  • Leave a Reply