Intrínseca

RESENHA: A Hospedeira, de Stephenie Meyer

Resenha do livro A Hospedeira, de Stephenie Meyer

Comecei a ler A Hospedeira sem esperar muito da narrativa e da história. Sendo bem sincera, só comprei o livro quando encontrei por R$ 9,90. Fiquei com essa ideia de que não era lá essas coisas e por isso, mesmo quando já tinha o livro, ele ainda esperou muito tempo na minha prateleira até, finalmente, ir parar nas minhas mãos.

Acho que o motivo disso tudo era que eu esperava alguma coisa parecida com a série Crepúsculo (gente, não me entenda mal eu adorei Crepúsculo na época que li). E se você pensa que nem eu pensava, bom, só tenho uma coisa a dizer:  não espere nenhum romance avassalador e nem seres porpurinados!  Apesar da personagem principal ter uma paixão completamente platônica, a história tem como o centro da narrativa os desafios enfrentados pelos humanos para conseguirem sobreviver.

Como assim? Sobreviver de quê? Bem, é que a Terra foi completamente dominada por alienígenas e esses alienígenas são como parasitas que se utilizam do corpo humano. A história começa quando Peregrina parasita a sua nova hospedeira, que vem a ser Melanie, uma humana sobrevivente e que foi muito dura na queda! (sem querer fazer um trocadilho tosco). Na teoria, assim que Peregrina dominasse o corpo, Melanie teria que simplesmente deixar de existir. Mas aparentemente a humana é apegada demais à sua vida e resolve ficar para atormentar a vida mental da alienígena.

Com o desenrolar da história, as duas acabam tornando-se amigas, afinal, meio difícil não se identificar, ao menos que um pouco, com alguém que você tem na cabeça por 24h, certo? A cumplicidade entre as duas torna-se tão grande que Melanie decide levar Peregrina para o que ela acredita ser um refúgio construído por seu tio e onde ela deseja descontroladamente encontrar seu irmão e seu namorado (ou seria ex?).

Peregrina acaba convivendo com esses humanos refugiados, vendo o quanto muitos a repudiam e outros morrem de medo dela. E, um belo dia, percebe que possui sentimentos fraternais pelo irmão de Melanie e isso a assusta, já que o proteger seria trair a sua espécie.

Para piorar e confundir mais ainda a cabeça de Peregrina ela sente todas aquelas sensações estranhas ao ver, tocar e ficar perto de Jared, o ex namorado de Melanie. Essa explosão de emoções – paixão, amor, fraternidade, ciúmes, compaixão, raiva, nojo, e por aí vai – é uma coisa totalmente nova para Peregrina, que tinha uma vasta experiência em outros planetas.  Mas nenhuma outra espécie a havia preenchido com tantos sentimentos diferentes.

“Como explicar que o planeta das Brumas só atinge a gente a partir de fora… e que é muito mais difícil ser atacada por dentro?”
 

Posso dizer que o livro seria muito bem vindo ao mundo da antropologia e sociologia. A forma como Peregrina vai integrando-se à comunidade de humanos me lembrou muito daqueles antropólogos que se infiltram em comunidades indígenas, africanas etc e começam a observar seus costumes e tentar fazer parte daquela sociedade.  Por isso mesmo achei a narrativa muito mais madura com relação à saga Crepúsculo, e uma história muito mais adulta, com personagens muito bem construídos.

Só tenho um porém quanto a tradução (para variar, né).  No final do livro meu queixo caiu e fiquei, sem sacanagem, uma hora olhando para um erro de português MUITO grave. Eu estava tentando ignorar os erros de digitação e as trocas de palavras por outras, que começaram a acontecer a partir da metade do livro.

Mas quando me deparei com a frase “Ele me arrastou rudemente, fazendo com que fosse impossível para mim falar“(p. 515) senti meu coração sendo estraçalhado e tive que enviar uma mensagem para editora.  Depois que a nova edição saiu, a com a capa do filme, fiquei de verificar se consertaram o erro, mas ainda não consegui ver =/ Alguém sabe dizer?

Ah, gente! E esse ano parece que foi confirmado uma continuação para o livro! Todos os dedinhos cruzados para que a Meyer saiba manter a qualidade da história! 🙂

You Might Also Like

No Comments

  • Reply
    Gabriela Martins
    April 18, 2014 at 2:01 am

    Sempre ouvi muita gente falar bem desse livro,mas nunca tinha parado pra saber a resenha e parece ser uma história bem interessante de se ler. Gostei muito da resenha !!
    Estou até pensando em colocar na minha lista de desejados (:
    Beijos :*

  • Reply
    juliano cesar de oliveira
    May 6, 2014 at 7:26 pm

    Oi adorei.. muito obrigado, me fez se interessar pelo livro….mas vc já leu o livro reverso escrito pelo autor Darlei… se trata de um livro arrebatador…ele coloca em cheque os maiores dogmas religiosos de todos os tempos…..e ainda inverte de forma brutal as teorias cientificas usando dilemas fantásticos; Além de revelar verdades sobre Jesus jamais mencionados na história…..acesse o link da livraria cultura e digite reverso…a capa do livro é linda ela traz o universo de fundo..abraços. http://www.livrariacultura.com.br/scripts/resenha/resenha.asp?

  • Leave a Reply